Novas mães isoladas com PPD, vemos você – aqui está a ajuda

Novas mães isoladas com PPD, vemos você – aqui está a ajuda

A depressão pós-parto já pode fazer você se sentir isolado; então, como você pode chegar quando praticamos o distanciamento social?

Até uma em cada cinco mulheres desenvolverá depressão pós-parto, uma condição que pode afetar adversamente os pensamentos, emoções e funcionamento das mães, bem como a saúde mental de seus parceiros e filhos.

Ajustar-se à paternidade após o parto é desafiador em circunstâncias normais, e muito menos em meio a uma pandemia global. As preocupações com a exposição ao COVID-19, combinadas com as recomendações de distanciamento físico, podem piorar a depressão e diminuir o acesso ao recursos, como assistência médica e apoio social, que as mulheres geralmente usam para criar resiliência e promover a recuperação.

Apesar desses desafios, existem várias medidas que as mulheres com depressão pós-parto podem adotar para otimizar sua saúde mental e prosperar diante do COVID-19.

Fatores de risco amplificados

A depressão pós-parto é o resultado de uma interação dinâmica entre fatores de risco biológicos, psicológicos e sociais, os quais podem ser amplificados pela atual pandemia. Minha pesquisa, focada em melhorar as mulheres acesso a psicoterapias e desenvolver depressão perinatal tratamento orientações, juntamente com minha prática clínica como psiquiatra, destacou a imensa força das mulheres com depressão pós-parto, bem como sua capacidade de se adaptar às adversidades.

Muitas mulheres com depressão pós-parto estão preocupadas com o COVID-19 e como elas podem lidar em casa com uma criança (e outras crianças). Embora as recomendações de distanciamento sejam importantes para controlar a propagação do vírus, elas limitam algumas das as melhores armas que as mulheres têm contra a depressão pós-parto. Não é mais difícil para as mulheres receber apoio sob distanciamento social, mas morar em locais próximos com crianças e parceiros pode aumentar o conflito e interferir na adaptação à vida com um novo bebê.

Apesar desses desafios, existem várias maneiras pelas quais as mulheres com depressão pós-parto podem reduzir o impacto do COVID-19 em sua saúde mental. De fato, essa pandemia pode até oferecer novas oportunidades para as mulheres e suas famílias florescerem.

Recursos online

Primeiro, muitos médicos e outros terapeutas estão agora realizando visitas por telefone ou on-line, e a saúde pública disponibilizou vários de seus serviços virtualmente. Hoje Psicologia é outra fonte de informação sobre terapeutas que oferecem serviços pagos por telefone ou internet. Os departamentos de emergência do hospital são uma consideração importante para as mulheres que necessitam de apoio de emergência.

Atualmente, existem diversos recursos online para apoiar mulheres com depressão pós-parto. Vários fornecem suporte via telefone ou textoe aplicativos como Amendoim (um aplicativo de rede social para mães), MindMum e Lifeline4Moms pode ser útil para mulheres que estão lutando. Vários programas de terapia cognitivo-comportamental também estão disponíveis gratuitamente on-line, incluindo o Programa de Saúde Mental Reprodutiva da Colúmbia Britânica e Moodgym.

Priorizando o autocuidado

A conscientização de algumas mudanças no estilo de vida que podem ajudar a otimizar a saúde mental das mulheres com depressão pós-parto também pode ajudá-las em sua recuperação. Uma rotina regular (tanto quanto é permitido pelas crianças) com foco no autocuidado, com base em Princípios NEST-S (Nutrição, Exercício, Sono, Tempo para Si Mesmo, Suportes) é a chave. Isso pode começar tomando um banho diariamente, mudando para o traje diurno e abrindo todas as persianas, pois elas podem realmente começar o dia.

A importância de ingestão nutricional adequada para as mães não pode ser exagerado. Eles devem tentar comer três refeições por dia e ter uma variedade de lanches fáceis. Manter um recipiente cheio de água por perto para se manter hidratado também pode melhorar a função cerebral.

A hora do exercício pode ser um desafio (principalmente agora), mas como pode ajudar com humor, energia e sono, vale a pena priorizar. Atividades agradáveis, breves e fáceis de realizar (como caminhar) são as melhores. Se eles expõem as mulheres ao ar livre, tanto melhor (desde que sejam observadas recomendações físicas de distanciamento).

Bom sono também é vital. Dormir quando o bebê tira uma soneca, dividindo a noite alimenta 50/50 com os parceiros e observando boas práticas de higiene do sono, como manter uma rotina consistente na hora de dormir e evitar álcool e cafeína à noite, pode ser útil.

Estudos mostram que mães gastam até 164,5 horas por semana, prestando atendimento direto e indireto aos bebês.

Em muitos casos, eles estão de plantão para cuidar de crianças, mesmo quando dormem, e ficam realmente fora do relógio por cerca de 30 minutos por dia. Dadas essas demandas, a boa saúde mental começa com intervalos. É melhor relaxar ou se envolver em atividades agradáveis ​​e / ou estimulantes, como ler e caminhar.

Técnicas de relaxamento como caixa de respiração, uma técnica de respiração que ajuda a gerenciar o estresse e relaxamento muscular progressivo pode beneficiar as mães que sofrem de ansiedade ou se sentem sobrecarregadas.

COVID-19 apresenta barreiras únicas

Bons apoios são vital para a saúde mental das mães. No entanto, o COVID-19 apresenta barreiras únicas para a contratação de apoios, particularmente aqueles fora de casa. Os parceiros são uma primeira opção lógica, mas, se um não estiver presente (ou estiver apto), pode ser útil procurar ajuda externa de familiares ou amigos. É crucial garantir que qualquer pessoa que entre em contato com novas mães e bebês tenha baixo risco de contrair o coronavírus.

Criar um bebê durante a luta contra a depressão pós-parto pode ser muito esmagador e requer soluções criativas. Ligações telefônicas e videoconferência com amigos e familiares também podem ser úteis, assim como estabelecimento de metas e consistência em torno do tempo pessoal e social.

Como muitos parceiros também podem estar em casa, o COVID-19 oferece uma oportunidade especial para os casais trabalharem em colaboração. Conversas sobre divisão de trabalho que levam em consideração os pontos fortes e as limitações dos parceiros, podem levar a planos eficazes que otimizam pausas, sono e atividades agradáveis.

Parceiros de mulheres com depressão pós-parto podem ajudar, fornecendo assistência prática (por exemplo, refeições noturnas e tarefas domésticas) e apoio, tendo em mente que ouvir sozinho (sem precisar "consertar" problemas)) pode ser terapêutico.

Talvez o mais importante de tudo, é importante ter em mente que a depressão pós-parto melhora e a crise do COVID-19 passará. O autocuidado, a compaixão e o engajamento do parceiro na jornada para a recuperação podem não apenas fortalecer a saúde das mães e de suas famílias, mas criar laços mais fortes a longo prazo.

Ryan Van Lieshout é o Presidente de Pesquisa do Canadá na Programação Perinatal de Transtornos Mentais na Universidade McMaster

Este artigo é republicado em A conversa sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *